O desenvolvimento educacional de crianças e jovens como o mais importante caminho para levar o país a crescer de forma sustentável e se tornar uma grande nação. Esta foi a análise que o professor Henrique Paim traçou durante a palestra “Os Desafios da Governança da Educação”, promovida nesta quarta-feira (26), pelo Núcleo de Educação e Cultura da Associação Comercial da Bahia (ACB). O conteúdo continua disponível no canal ACB Lives no YouTube.

Ex-ministro da Educação (2014/2015) e diretor do Centro de Desenvolvimento da Gestão Pública e Políticas Educacionais da Fundação Getúlio Vargas, o palestrante classificou a Constituição Federal de 1988 como um importante marco para a educação, que possibilita ao país firmar um compromisso de universalização da aprendizagem. Segundo Paim, em termos nacionais, a questão da governança se fortalece a partir da discussão sobre a regulamentação do Sistema Nacional de Educação, previsto na Constituição.

“A exemplo do que ocorre nas áreas da saúde e da assistência social, que têm sistemas nacionais em funcionamento, é urgente estruturar o Sistema Nacional de Educação a fim de pactuar as políticas, os programas e as ações educacionais entre os diferentes níveis de governo e melhorar a gestão da educação. Para tal, é necessário estimular a pactuação de políticas a partir de parâmetros nacionais definidos em comum acordo. O país precisa definir instâncias de pactuação tripartite e bipartite e regras para que todas as esferas federativas atuem de forma articulada”, detalhou o educador.

A cultura de acompanhamento foi outro tema abordado pelo educador, que defende o compromisso do sistema de ensino com os professores para que possam verificar qual é o desempenho de aprendizagem de cada criança ou jovem. “O diretor da escola também precisa acompanhar todas as turmas, trabalhar em uma relação de confiança com o professor, verificar quais as necessidades e dificuldades que o professor tem. Essa cultura de acompanhamento faz a diferença. Com ela, podemos dizer que temos um sistema educacional voltado para a aprendizagem”, palestrou o ex-ministro.

Já o presidente da ACB, Mário Dantas, levantou outra questão que classificou como igualmente fundamental para o desenvolvimento econômico do Brasil. “Existe um abismo entre as oportunidades de trabalho e a qualificação das pessoas. Por isso acredito que a educação é um tema tão necessário para o desenvolvimento do país e também para o desenvolvimento empresarial”, destacou o líder empresarial.

Coordenador do Núcleo de Educação e Cultura da ACB e ex-superintendente de Educação Básica do Estado da Bahia, o professor Ney Campello também falou sobre a necessidade de uma cultura de planejamento para garantir maior eficiência do sistema de educação e uma aprendizagem com mais equidade. “O empresariado traz consigo esta cultura na gestão das organizações empresariais privadas, têm uma expertise nisso. O setor privado pode contribuir para a eficiência desta gestão, para que possamos ter mais foco nas atividades finalísticas da educação, que é o aprendizado”, sugeriu.

Ao final da apresentação, Henrique Paim elogiou a iniciativa da ACB em criar um Núcleo voltado para a educação. “A ACB está no caminho certo. A instituição sabe que para que haja um desenvolvimento econômico no estado da Bahia é fundamental que a educação esteja em qualquer projeto”, finalizou.